Artigo

Neil Gaiman – Minhas impressões

De última hora, rbp conseguiu um ingresso para ir a mesa-redonda de Neil Gaiman, na FLIP – Festa Literária Internacional de Parati. Em princípio, eu não iria, pois havia apenas um ingresso sobrando. Como ele é fã há muito mais tempo do que eu, achei justo que ele fosse e eu não. Meu plano, então, era passear sozinha por Parati enquanto a mesa acontecia.

Era sábado de manhã e esperávamos juntos a entrada na fila. Eu começara a me despedir do rbp e da Bartira (quem descolou o tal convite), quando uma mulher à nossa frente anunciou um ingresso sobrando a venda. Imediatamente, abortei o projeto de zanzar pela cidade e substitui pela palestra.

Há muitos anos que não ia a Parati. Depois de um sábado inteiro lá, continuo há muitos anos sem ir a Parati. Passear pela cidade, os abusos gastronômicos, o mar, as casas, tudo isso continua na memória da viagem de anos atrás. Mas não me arrependo minimamente.

Sobre Neil Gaiman, do pouco que li, gostei. Ele é o tipo de autor moderno e bom. Combinação muitas vezes difícil. Suas histórias e contos são de terror, suspense e fantasia. Leituras muito agradáveis. Isso, porém, eu já conhecia. O que me deixou particularmente bem impressionada foi o seu talento para narrações.

Gaiman nasceu na Inglaterra e narra suas próprias histórias com um inglês britânico bem falado, limpo. Não bastasse isso, ele transmite todo o suspense para a narração e é capaz de deixá-la muito mais interessante. Soube depois que Gaiman fez tratamento fonoaudiológico para um problema de dicção na infância. Isto explica parte do seu talento. Além disso, é pai e, ao que relata em seu blog, sempre foi um contador de histórias aos seus filhos. Fiquei feliz quando descobri os vários audiobooks narrados por Gaiman com suas histórias.

Coraline

Capa de Coraline na nova versão em inglês. Eu tinha em português na capa antiga e achei esta muito bonita. As ilustrações internas continuam as mesmas, de Dave McKean. Foto: © ali ckel.

Agora, estou lendo o Coraline autografado pelo autor. Foram cinco horas na fila para assinar este e um Sandman, The Wake, para o Badá. O rbp autografou seu Stardust e o Smoke and Mirrors para o Daniduc. Normalmente, não ficaria este tempo numa fila por um autógrafo, um beijo ou o que quer que seja. Mas juro que não parecia tão grande assim. Depois das primeiras duas horas, por que não ficar até o fim?

Coraline autografado. Foto: © ali ckel.

O próximo Neil Gaiman a comprar (e este vai para a biblioteca dos futuros Pimentel) é o The Dangerous Alphabet, com poesias de terror do alfabeto e ilustrações lindas. Iê!

Referências: