Artigo

Passageiro inesperado

Saímos à noite para passear. Terça fizera uma noite agradável. Ao voltarmos para casa, desço do carro recém estacionado e encontro o passageiro inesperado. Ele estava no teto, pegando uma carona para lugar nenhum.

Grilo

Logo se vê que vivo em ambiente urbano, de cimento. Ainda lembro de como fiquei impressionada quando soube que o barulho insuportável e ensurdecedor que tocava todos os fins das tardes de verão em Campinas não era de nenhuma fábrica ou motor de um galpão ali por perto, mas sim das cigarras!

Comentários (7 comentários)

Deixe aqui seu comentário