Artigo

A Capulana de Moçambique

Gosto muito de roupas ou acessórios em tecidos diferentes, coisas que remetam a alguma criatividade fora do padrão, que saia da mesmice. Sou fã do preto e branco. Adoro combinações em tons de cinza, mas não dispenso uma corzinha, muito menos com estampas especiais. Neste ponto, os africanos, indianos e orientais, de forma geral, são muito criativos.

Capulana

No ano passado, meu sogro nos trouxe um tecido africano, de Moçambique. As cores fortes, preto e amarelo, traziam alegria àquele pano. Não era como a nossa chita, com cores fortes, desordenadas e floridos exagerados. Era algo mais sóbrio, talvez. Formas geométricas e uma combinação exata. O tom de amarelo, aliás, é dos meus prediletos. Não gosto do amarelo que ofusca os olhos. Prefiro o mais contido, porém antes de chegar no mostarda.

Por algum tempo fiquei pensando no que fazer com aquele pano. Uma saia? Uma calça envelope, como fiz com a chita? Um avental de cozinha (afinal todos os que tínhamos eram monopolizados pelo rbp)? Por fim, decidimos transformá-lo em uma toalha de mesa. Há anos procurávamos por uma que não fosse branca e esta cairia perfeitamente. De fato, deu uma colorida, alegre, porém sóbria toalha, escolhida a dedo apenas para ocasiões especiais.

Capulana

Recentemente, acompanhando um blog português, A Ervilha Cor de Rosa, acabei descobrindo uma série de coisas a respeito dos tecidos africanos. A Ervilha utiliza a capulana para costurar sling bags*. Enquanto lia seus artigos, comecei a fazer as ligações. A origem do pano, as características peculiares: cores, formas, tipo do tecido. Olhava as fotos da Ervilha e comparava com o meu. De repente, o insight, “eu tenho uma capulana!”. Tudo fica mais interessante quando se conhece a origem e a história do objeto.

Capulana

De modo geral, são conhecidos por este nome, capulana, apesar de haver outras denominações. Sua origem é africana, ainda que a técnica de estampagem seja da Indonésia. Foram muito comercializados na costa oriental africana. Posteriormente, com a colonização européia, estes tecidos sofreram forte influência desta cultura. Hoje são predominantemente encontrados na África. No Brasil, a variação deste tecido é conhecida como canga.

No meu pano, fica bem clara uma característica marcante destes tecidos: a influência de alguns animais. Os pontinhos claros em fundo escuro imitam a pena da galinha de angola.

Referências:

*são panos costurados e entrelaçados para a mãe carregar a criança no colo.

Comentários (6 comentários)

Deixe aqui seu comentário